BRASIL : Gastos de estrangeiros no Brasil chegam a US$ 3,6 bilhões em 2016 - 'Dilma é quem vai dar o tom', dizem senadores - Tiroteio deixa um morto e um ferido na zona norte do Rio - ESPORTE : Com novo patrocinador, Lochte anuncia primeira aparição após Rio-2016 - Vaiada no Rio, nadadora diz que Jogos foram 'terríveis, uma guerra' - Lavillenie vence na França e brasileiros não perdoam: 'Em casa é mais fácil' - Em despedida de Gabriel, Santos perde do Figueirense na Vila - FACEBOOK : Maior grupo LGBT do Facebook sofre ataque de hackers homofóbicos - MUNDO : Após repercussão, babysitter que agrediu bebê assume culpa nos EUA - Mãe de brasileiras mortas em Portugal pede doações na web para traslado - Pilotos são presos por embriaguez antes de voo da United Airlines - Na Italia,museus fazem campanha para ajudar vítimas de terremoto

domingo, 28 de agosto de 2016

Abandonado, Conjunto virou "Terra de Ninguém"


Abandonado, Conjunto virou
(Foto: Divulgação)
O residencial Aruan ia beneficiar 700 famílias do município de Barcarena, na Região Metropolitana de Belém. Financiada pelo programa Minha Casa Minha Vida, a obra deveria ter sido entregue há 5 meses. Deveria. O fato é que, até hoje, a construção está parada e não há nenhuma previsão para que os moradores possam realizar o sonho da casa própria. O condomínio, feito em parceria pela Prefeitura, Caixa Econômica Federal e o Ministério das Cidades, traz as marcas do abandono, com materiais se deteriorando e mato alto por todo o lado. 
O empreendimento foi lançado com festa promovida pelo prefeito Antônio Carlos Vilaça (PSC), no dia 26 de setembro de 2014, e ocupa um quarteirão inteiro da PA-151 (rodovia Moura Carvalho), naquele município. Quase 2 anos depois, o que se vê são 112 casas inacabadas e que hoje servem de depósito de material de construção que deveria ter sido utilizado nas unidades.
No local, 3 tratores estão se deteriorando sem nenhuma utilização. O mesmo ocorre com uma usina de preparo para argamassa. Há vários contêineres vazios. Em razão do abandono, duas invasões surgiram e aumentam ao redor do terreno. Dos quase 300 funcionários que atuavam nas obras, restaram apenas dois vigias e um encarregado, que, segundo os próprios, estão sem receber salário há 9 meses.
Em nota, a Secretaria de Assistência Social de Barcarena informou que é responsável apenas pela seleção de famílias que tenham perfil para o programa e que a obra é responsabilidade do Ministério das Cidades e Caixa Econômica. Segundo a prefeitura, a coordenação municipal do Programa Minha Casa Minha Vida entrou em contato com a Caixa Econômica no último dia 2 de agosto e informou que está rescindindo o contrato com a empresa responsável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário