BRASIL : Gastos de estrangeiros no Brasil chegam a US$ 3,6 bilhões em 2016 - 'Dilma é quem vai dar o tom', dizem senadores - Tiroteio deixa um morto e um ferido na zona norte do Rio - ESPORTE : Com novo patrocinador, Lochte anuncia primeira aparição após Rio-2016 - Vaiada no Rio, nadadora diz que Jogos foram 'terríveis, uma guerra' - Lavillenie vence na França e brasileiros não perdoam: 'Em casa é mais fácil' - Em despedida de Gabriel, Santos perde do Figueirense na Vila - FACEBOOK : Maior grupo LGBT do Facebook sofre ataque de hackers homofóbicos - MUNDO : Após repercussão, babysitter que agrediu bebê assume culpa nos EUA - Mãe de brasileiras mortas em Portugal pede doações na web para traslado - Pilotos são presos por embriaguez antes de voo da United Airlines - Na Italia,museus fazem campanha para ajudar vítimas de terremoto

domingo, 28 de agosto de 2016

Ver-o-peso, ver as frutas, ver as pessoas...


Ver-o-peso, ver as frutas, ver as pessoas... (Foto: Rogério Uchôa)
(Foto: Rogério Uchôa)
"A canoa traz o homem / a canoa traz o peixe / a canoa tem um nome / no mercado deixa o peixe /(...) Ver o homem/ vera morte/ vero peso”. Assim como no poema do paraense Max Martins, aportar no Ver-o-Peso, em Belém, é encontrar um local cheio de ricas histórias, sobretudo dos que lá trabalham, seja na Feira do Açaí, nos mercados de ferro e de carne, ou em outros espaços do complexo. 
Maior feira ao ar livre da América Latina, o Ver-o-Peso nasceu como um entreposto fiscal no século XVII, em uma área que era formada pelo então igarapé do Piri. Ali, com base no peso dos produtos, eram tributadas todas as mercadorias que chegavam à cidade, ficando conhecido como ‘Casa de Haver o Peso’. A partir dali, a importância econômica e histórica do Ver-o-Peso para o Pará só cresceram. De tão conhecido, virou ponto turístico de Belém. Saiba a história de algumas pessoas que lá trabalham.

Nenhum comentário:

Postar um comentário